Jacques Brel não esquecer

todas as letras (não escolhi nenhuma), a voz tudo nele é maravilhoso importa …, morreu tão jovem! Quem gosta do francês … ,  gosta de Jacques Brel

Em 1977 desloca-se a Paris, onde grava discretamente em estúdio doze canções das 17 que havia escrito, e que virão a integrar o seu último álbum, esperado há mais de 10 anos, e chamado, simplesmente, “Brel”.Gravado nas difíceis condições físicas e psicológicas de Brel que se podem antever, torna-se perturbador ler as últimas palavras da sua canção “Les Marquises”: “Veux-tu que je te dise / Gémir n’est pas de mise / Aux Marquises”(trad:”Se queres que te diga/Gemer não é opção/Nas Marquesas”). O disco teve um sucesso imediato: apesar de Brel ter pedido que não houvesse publicidade, mais de um milhão de exemplares estavam reservados antes da edição e setecentos mil foram adquiridos logo no primeiro dia da sua venda ao público. Alheio a esse sucesso volta à ilha pela penúltima vez. Em 1978 a saúde começa-se a degradar e retorna a Paris em Julho para novos tratamentos. Em Outubro é internado no Hospital com uma embolia pulmonar, vindo a falecer com 49 anos, às 4 e 10 da madrugada do dia 9 de Outubro de 1978.O regresso a Hiva Oa, dá-se uma última vez: Jacques Brel é sepultado no cemitério local.Jacques Brel

agapantos

AMOR PERFEITO EM PATY

(…) queria que estivesses aqui. Dividir alegria, filhos que nos multiplicam, até a pequena Luiza nos pertence. Saudade sentimento; saudade nostalgia saudade não definida de nós dois. No caminho. Um dia houve um caminho. (…), nunca deixarão de ser nossas crianças.

Outra vez embarco …, e se agita o não é tudo. Falta. Nunca o suficiente … história/estória colorida, outra. Nunca somos os mesmos, mas somos, paradoxalmente, nunca deixamos de ser os mesmos. Os amores amados se veem. E se reconhecem … Queria que estivesses em Miguel Pereira, queria te ver abrindo as janelas do chalé, embora tenhas afirmado: “ estou indo sem saber do que se trata” eu te digo: “ também não sei bem o que é a vida, mas irei sob protestos” … uma questão completa a outra.

da varanda os agapantosPaty hoje foto da ClaudiaAGAPANTOS DE PATY

https://www.letras.com.br/tom-jobim/eu-nao-existo-sem-voce

é tolice

“É tolice imaginar que a paixão nasce de uma harmonia mental, de idéias semelhantes, ela é o dispositivo simultâneo de dois espíritos empenhados em crescer e conquistar sua autonomia. É como uma explosão silenciosa tivesse ocorrido no interior de cada um. Confuso e inquieto, o amante examina sua própria experiência, sentindo gratidão pelo amante, imagina estar em comunhão com ele, mas impressão é falsa. O objeto amado é simplesmente alguém que compartilhou uma experiência de forma simultânea e narcísica; e, ao menos no início, o desejo de estar próximo desse objeto não tem  relação com a ideia de posse, mas apenas com a intenção de comparar   as duas experiências como reflexos em espelhos diferentes. Tudo isso pode preceder o primeiro olhar, o primeiro beijo, o primeiro toque, preceder qualquer ambição, orgulho ou cobiça; preceder as primeiras declarações que marcam o instante da virada — pois daí em diante, o amor degenera-se em hábito, sentimento de posse, e retorno à solidão.“(p.48-49)   Lawrence Durrell – Justine – O Quarteto de Alexandria – Volume I – Ediouro, 2006 Rio de Janeiro.                             

sem título

Esquisito emaranhado esdrúxulo. Desaparecer, não do mundo, mas disso tudo, de um disso não definido. Um disso que pressinto. Deste ser o que não sou, ou estar sem aparecer. Arrancar o agônico inexplicável. É o não chegar. Aonde. Ser eu mesma sem alta tensão. Estado passagem. Seguro o fio, a voz o jeito, depois esqueço. Saudade de ser a outra que um dia eu fui. E, nunca fomos/somos de ninguém. Fica- se a espera. Não existe outra metade. Envelhecer parece aborrecido/chato/ frustrante, … não sei explicar. Pequeno/grande tanto espaço, … tão ao acaso. Não sei se sei. É pouco, mas novo. Elizabeth M.B. Mattos – novembro de 2017 – Torres

caes caes caes

Foto de Luiza .M. Domingues

jasmim do cabo

Sentimento amargo aperto. Estranho, …  Estrangulado gosto, e logo a cabeça explode. De dentro o jasmim … o jasmim-camélia, jasmim do cabo:  … flor branca, branco este jasmim. Enorme perfumado,  …  para ver/olhar sentir o cheiro/perfume, nunca tocar. Pétala macia, carnuda. Intocável jasmim … Elizabeth M.B. Mattos – novembro 2017 – Torres

JASMIMIMIIMIM