Misturadas

TORRES outra vez! E, Luíza  visitando a mãe, Torres 2014.

20140830_10183720140830_10235420140830_10193020140831_17251420140906_15102320140906_151023

20140906_150957

Ida ao Rio de Janeiro, depois de 10 anos no Rio Grande do Sul,1990.

20140905_223808

Flávio Tavares, Torres, antes de publicar Memórias do Esquecimento.

20141105_133428

Recorte de jornal, 1964.

!FOTOS BETH 020

França, Paris, Chateau Chambord com Claude Bonjean.

.

027

Roberto Menna Barreto Mattos, Suzana Mattos e Marcelo Coufal, Anita de Athayde Mattos.

FOTOS BETH 007

Fazenda Santa Branca, Rio Pardo, Rio Grande do Sul:

Luiza e Margit

002002

Magia

Arrumo livros na estante, separo doações dos que não lerei, dos que seguem manuseados, mas esperam. Há tempo no tempo.

O sol é cinzento. Abro o livro amigo:

“Tenho grande falta de habilidade manual, lamento- o. Seria mais perfeito se as minhas mãos soubessem trabalhar. Mãos que fazem alguma coisa de útil mergulham nas profundidades do ser e dali extraem uma fonte de bondade e de paz. O meu padrasto ( a quem chamarei aqui pai, pois foi ele que me educou) era alfaiate. Tinha uma alma profunda, um espírito verdadeiramente mensageiro. Por vezes dizia, sorrindo, que a traição do erudito principiara no dia em que um deles representou um anjo com asas: é com as mãos que se sobe ao céu.”

O despertar dos mágicos, Louis Pauwels e Jacques Bergier

Ao nosso lado

Esta coisa da ausência não se explica. Ausentes sempre têm razão: são os que não contrariam o trabalho do amor. Se pensamos a vida parece que sempre estivemos separados daqueles que amávamos mais: talvez seja porque basta um ser querido viver ao nosso lado, para que ele se torne para nós menos querido, ou menos necessário. Os errados são aqueles que estão ao nosso lado.  Contradição. Necessidade nunca preenchida…

Cinzento

Gosto deste cinzento, desta chuva miúda que se apresenta lenta, modesta. Calçada molhada, a poeira descansa. O verde das folhas veste matizes amareladas, lustrosas. E o silêncio, cheio das vozes agitadas da passarinhada, me agita por dentro nesta gramática canhestra. Gosto do cinza, e do preto daquelas nuvens.

Eu estava lá

Talvez eu tenha estado lá com a ambição juvenil de mostrar teu engano, que as coisas não se resolveriam daquela maneira, não com lógica, evidências, ou comparações. Avanço afetivo, soluções chegam com as constantes novas versões…A repetição. Construímos enigmas sobre as questões fundamentais da vida e da morte (tempo, amor, permanência), sobre questões para as quais não temos a resposta. É esta falta de resposta mesma que nos anima a ir em frente. Pelo que sabemos até agora, precisamos dos enigmas para continuar a viver. É uma maneira de estruturar a vida e dar-lhe sentido. Flutuando, ou não, eu estava lá.

Desculpas

Cada um à sua maneira, feliz. A sua maneira soluções, e alegrias. Retorna-se ao começo. Retoma-se ao erro, ao acerto. Arrancar, extirpar equívocos. Reconhecer a Zuleica, o Fernando, a Mariela. Com vagar e paciência, olhar, esmiuçar: o reflexo no espelho. Diário, relato, memória possível! Atenção particular à surpresa, à ruptura, ao imprevisível visível. Ao desejo oculto, ao perdão. Trilhar, e reconhecer trajetória íntima, virtual, ou do outro… Reconhecer corpo,  idade específica do problema. Nada fácil. Respirar é difícil.

Mergulhar na rotina, na disposição cotidiana. Lugar, morada, jardim. Cães, filhos, ou amigos. Irmãos tios, primos, desconhecidos: a infância. Fingir desconhecer, não reconhecer, não repousar dentro de si mesmo: abismo pessoal. Sofrer antes do sofrimento chegar. Pausa. Parêntese. Ponto depois de tantas virgulas. (Generosidade). Não recuar, não fugir. Não perder o hoje, reconhecer a mão que pede socorro. Matemática com todas as operações que ainda não aprendemos.

Preconceito

Preconceitos: alfabeto, regional, cor, sotaque, ideia, floração, cerca em círculo. Apertado azedo, e complicado. Divergência em coquetel: beleza, fluído, estupefação, trabalho. Diferença explode em nuances alegres, trágicas. A ser descoberto, o mundo.

– Não posso comer. Não vou pentear o cabelo.

Janelas fechadas, segregam.

– Não sou voraz.

– Fecho os olhos, mas voto, aperto, teclo.

Caótica escrita. Corrompemos o corrompido. Crianças se espantam… indecisas, encolhidas. Preconceito.