do amor

… procuramos aquela pessoa que nos trará esse prolongamento, essa multiplicação possível de si mesma que é a felicidade …explica Proust.

Se acreditamos que uma pessoa participa de uma vida desconhecida onde seu amor nos faria entrar, é disso, de tudo que exige o amor para nascer, que ele mais depende, e é isso o que de resto nos leva a arriscar tanto …quando nos apaixonamos projetamos no outro um estado de nossa alma, e o importante não é o valor da pessoa em si, mas a profundidade do estado”.

 

Uma mulher neutra, silenciosa, quase reduzida a uma aparência amável, como era Juliette Recamier, será a mais atraente, até mesmo para homens exigentes como Chateaubriand e Benjamin Constant. Onde há pouca coisa, pode-se imaginar tudo […] Quem não vê numa pessoa a não ser o que realmente nela se encontra não pode compreender as coisas do amor, que são determinadas por algo que não se acha no objeto da escolha, mas sim no espírito de quem a escolheu. Assim, o primeiro estágio do amor, segundo Proust é um trabalho da imaginação que, posta em movimento pelo desejo e a angústia, adorna de todos os encantos uma desconhecida e nos leva a atribuir – lhe o papel da Amada.”  (p.175 -176) André Maurois – Em busca de Marcel Proust

sem sossego

HERMAN HESSE LIVROS HESSE E POEMA

… de toda conversa sem voz …  Eu me espanto ao amanhecer, no entardecer … Se fecho os olhos, eu me espanto.  Por te querer querido eu me espanto … sem dizer eu te digo. Tardio amado esquivo desejo …  que sendo largo é estreito … eu te aperto no abraço.  … Memória sem lembrança, eu me acordo e me espanto.  …  O que eu faço … O que queres sem querer…  Ausência. Silêncio sem cheiro …  Tem um nada tão nada … E sendo …  Eu me assombro eu te quero  … querido. Elizabeth M.B. Mattos – setembro de 2017

HERMAN HESSE pouco nítico

livre

Esfriou esquentou chove, chove forte, gelado.  Cinzento o dia. O cinza esconde o que imagino … e também guarda  o que precisa ficar fechado.

Estou com frio, depois começo a suar. É o tempo de outros tempos que dança comigo.

Não me importo. Quando adoeço o mundo se transformar num enorme colchão de ar …. Estico o corpo e quieta espero. Tudo pode passar devagar. E despedaçar neste enorme grande majestoso silêncio … Penso na voz na  voz que não existe, nada existe. Assim mesmo escuto todas as palavras.  Elizabeth M.B.Mattos – setembro 2017 – Torres

Incapazes de compreende a maneira ou a razão de uma pessoa proceder, atribuímos seu comportamento a outra pessoa não podemos ver, e cujo comportamento tampouco podemos explicar, mas sobre a qual não somos levados a fazer perguntas.”(p.15)  B.F.Skinner – O Mito da Liberdade

 

 

nós você tu e nós

Tu queres outubro tu queres Paris tu queres, … queres o cheiro, a voz não queres …

Eu te beijo devagar devagar no vagar.

Teus/seus olhos azuis, …  pode ser tudo imaginação.  Na água no sonho na terra caminho/ vou ao teu/seu encontro. Abril, março… não … foi maio, será outubro …

Como te chamas, tu que é este você que pressinto.

Sentei quieta naquela cadeira estofada. Janela aberta. Lugar inquieto.

 Você/ tu disfarçados em nós. Nem és nem sou. Violeta Parra …  o desencontro de amar assim, assim como você e eu,  eu e tu … Ele e ela …

ElizaBeth M.B. Mattos  –  setembro de 2017  –    Torres

LIVROS NOVOS ESTA

 

 

seu jeito de não estar

 ele existe na memória perdida. Inteiro eu penso/ imagino sem tocar … sem entender.  Como vejo? Dourado. Olhos azuis esverdeados, ou nem sei …esqueci os olhos esqueci a boca, o contorno do rosto, esqueci …   Lá onde eu vejo / onde meu pensamento caminha são castanhos, – verdes, não … são azuis. Tímido ousado. No entardecer insistente …. Seguro pelas mãos, suas mãos. Assim mesmo desaparece, loucura delírio. Apressado … apressado, e eu lenta, tão lenta! … cansada … afoita insegura … indecisa incerta ansiosa triste onde não posso estar. Estou dentro da imaginação. Linha parágrafo, desenho, a sua música, meu querido. Sua memória … seu jeito de não estar.  E não estamos em lugar nenhum. Não existimos. Nem você nem eu. Imaginação de felicidade/ de coisa alegre, somos nós.  Ausente presente inteiro e para sempre vazio.

Caminho apressada tropeço vou escolher flores pequenas do gramado, e alegrar o dia amoroso de ser apenas nós os dois. Eliza Beth / E.M.B. Mattos – Setembro – Torres 2017

flores pequenas

museu biblioteca arte leitura

escrever tem uma certa urgência, uma necessidade premente

A leitura precisa fazer/ter uma conversa. Um  debate um dizer e não dizer. Discussão raiva intolerância ciúme e impotência. Sinto o texto que se inclina se debruça avança e desapareço dentro dele. Comunhão e prazer e alegria e lágrima, ou aquela sensação de solidão de um nada do poço escuro e vazio. Na conversa, o texto me engole … devora, ou mastiga  tritura. Há que se ter/fazer esforço para sentir que somos, somos apesar dele, somos um pouco mais, ou um pouco menos, mas s o m o s/ s o u e sendo também sou texto, mesmo silenciosa … leitura por todos os lados de todas as formas. Posso ler de olhos fechados … É a mágica. Estar contigo não estando também é mágica:  o poder do amor. O perfeito! … não se apressa o amor … ele se acomoda do jeito que pode e grita na hora que quer dizer exibir aparecer … olhos abertos! E … e agarre e ame! Elizabeth M.B. Mattos – Torres – setembro de 2017

Fomos juntos a um museu de arte, as paredes eram totalmente brancos, e com o sol entrando pelas grandes claraboias no teto a luz naquele lugar chegava quase a queimar. Pelas janelas eu pude ver o mar, azul com ondas e cristas brancas, e ao longe se erguia uma grande montanha rodeada de branco. Naquele ambiente, naquela sala branca e iluminada nos confins do mundo, a ate desaparecia por completo.

Será que a arte era um fenômeno interior?  uma coisa que se movimentava nas pessoas e entre as pessoas, tudo que não podíamos ver, mas que assim mesmo deixava marcas em nós, que era nós? Seria esta a função das pinturas de paisagem, dos retratos, das esculturas,, a de levar o mundo exterior, tão estranho a nós, rumo ao interior?”(p.434)

Karl Ove Knausgard MINHA LUTA volume 5 A descoberta da Escrita

Primeira edição, Companhia das Letras, 2017 –

curiosa imagem

 

 

imperceptivelmente

Existe encontro no desencontro  … falta juventude, falta encanto falta coragem. Medo e ausência mistura de silêncio pressa e curva. Tanta curva nem parece rumo nem estrada. Não chego …  Fico… fico fico fico no labirinto deste não chegar. Exausta e solitária eu te espero… Atravessar leitura atravessar desencontro atravessar a voz e não chegar. Sombra e cansaço. Elizabeth M.B. Mattos – Setembro de 2017 – Torres

“O problema é que não se amavam. Antigamente, tinham jogado tênis juntos vária vezes, ou encontravam-se em festas. Tinham andado juntos, simpatizado um com o outro, e assim, imperceptivelmente, haviam transposto o limite do que distingui uma pessoa em que confiamos, e a quem nos mostramos com toda a nossa confusão emocional, de todas as outras pessoas, diante das quais fingimos ser perfeitos. Sem querer, tinham ficado íntimos como duas pessoas que se amam há muito tempo, ou mesmo quase nem se amam mais; mas dispensaram o amor.” ( p.223) Robert MusilO Homem sem Qualidades – Editora Nova Fronteira – 1989

 

cropped-bgv2.jpg