Empilhar, entulhar

 

Encaixotar, embalar. Enrolar. Varrer. Deixar vazio. Guardar. Selecionar. Excluir. Rasgar. Este ritual  oprime. A gaveta remexida. A presença escondida. A surpresa! Toda a saudade. A escassez oprime. Oprime o desejo contido. A cópia, o modelo estereotipado. Oprime o diabo do espelho. O vestido manchado. A manta azul no cabide. Os chinelos. A escova de dente. O pente. A lata dos chocolates. As fitas na mesa. Oprime o segredo. Oprime a preguiça. Incapacidade, ilusão frustrada, a idiota vaidade. Este mesquinho egoísmo e esta opaca inconsciência. Oprime não ter compreensão, nem o espetáculo inteiro, só o palco. A palavra dele, a voz, o cheiro, a roupa, a ausência, o silêncio, os remédios, o casaco xadrez. Por que não aceitar com prazer o que terminou? Não olhar o fogo, e deixar para traz só as cinzas deste  incêndio. E o ponto final.

 

 

 


 

Angústias

Grandes pintores, artistas, grandes angustias. Contínua vontade de acertar. As dificuldades existem, mas como escreve Van Gogh “Mas estas dificuldades estão mais dentro de nós mesmos que em qualquer outra parte”.

“23 e dezembro de 1888

Agradeço-lhe muito a carta, a nota de cem nela incluída e também a ordem de pagamento de cinqüenta francos. Eu por mim acredito que Gauguin tinha se desanimado um pouco com a boa cidade de Arles, com a casinha amarela onde trabalhamos, e, sobretudo comigo. De fato, tanto para ele quanto para mim, aqui ainda existem sérias dificuldades a vencer. Mas estas dificuldades estão mais dentro de nós mesmos que em qualquer outra parte. Em suma, por mim eu acredito que ou ele vai decididamente partir, ou ele decididamente ficará aqui […]”(p.940

Vincent Van Ggh – Cartas a Théo – LPM Pocket

Telas de Van Gogh :  as flores e os sapatos. E  as outras telas são de Paul Guaguin,- as mulheres nativas.
images (9)images (8)

images (6) images (5)

Soberba

Entre a luta de poder e não fazer, eliminar. Seguir em frente. Caminhar sem se voltar. Entender antes de perdoar. Socorrer aquele corpo espedaçado… Velar. Quebrar a cadeira, o vaso, a janela… Depois consertar. Esquecer o tempo de lavar, dar de comer. Recomeçar. Limpar, arrumar, dobrar, cansar, ficar, e ainda assim olhar pela janela… Esquecer o tempo de plantar, regar e podar! Escutar, estremecer. Não duvidar! Altruísmo, soberba, egoísmo, estoicismo infeliz. Sátiras palavras invertidas. Deixa o diabo correr, quero as asas de anjo pra voar e me perder…

Unhas pintadas

Realidade. Estar no coração de um dia de verão, como no interior de uma fruta, olhando para as unhas do pé, pintadas, para o pó branco nas sandálias, vindo de ruas quietas e sonolentas, sentir a expansão do sol por baixo do vestido, no meio das pernas, ver a luz polir os braceletes de prata, sentir os cheiros da padaria, do pãozinho de chocolate, ver os carros passarem, cheios de mulheres louras como as fotos da Vogue, e logo enxergar a velha criada com o rosto queimado, com cicatrizes, cor de ferro, ler sobre o homem esquartejado, e ali, à sua frente, perceber o corpo pela metade de um homem sobre rodas, enquanto o perfume do coiffeur canta a realidade.” (p.146)

Anaïs Nin – Diários Não Expurgados (1934-1937) – LPM Pocket

De Anita

023 (2)

“Genética

Embora eu devesse não me sinto outonal.

Não amarelo meus pensamentos. Não caem minhas ilusões.

Sou como um fruto maduro preso a um a galho,

E que se recusa a ser colhido.

Embora eu não devesse me sinto primaveril.

Brotam em mim botões de alegrias que renascem até nas tempestades,

No frio que vem das invernias.

Embora eu não devesse, renasço até nos pantanais

E ali consigo ficar mais frondoso.

É porque a semente que me fez nascer,

Creio de uma planta rara, especial.

Então,  sou como as flores que renascem em todos invernos, primaveras, verões

Que vicejam mesmo sendo tempo outonal.

Torres, 03 -09 de 1982″

Anita de Athayde Menna Barreto Mattos

023 (2)

Fama, Cronópio, Esperança

frases-de-cortazar

Exercício da Oficina TERAPIA DA PALAVRA – após leitura de  Julio Florencio Cortázar (escritor argentino, nascido em 1914). Livro lido:  Cronópios, Famas e Esperanças.

Se eu fosse um Fama eu já teria um carro, uma casa, emprego, nenhum filho. Se eu fosse mesmo um Fama eu teria assinado o contrato, recebido o dinheiro. Teria comprado inveja, ironia. Se eu fosse um Fama teria beijos, abraços, muita comida. Se eu fosse um bom Fama estaria rico, gordo, risonho. Teria visitas nos fins de semana. Ganharia presentes a toda hora. E eu seria o melhor no tênis, no golfe. Ou jogando cartas, bebendo uísque. Seria bom nas piadas. Se eu fosse o Fama teria um alguém abrindo a porta do meu carro, servindo o vinho no meu copo. Seria inteligência pura, certeza pura, acerto certo. Se eu fosse um Fama não seria este Cronópio que surpreende, mas não faz, e se faz se machuca. Quando transforma chora. Quando acerta grita, quando grita diz, obstrui, inverte inventando… Não pintaria este retrato sem rosto, com tanta tinta sem risco. Eu não seria este Cronópio que vive espremido entre Cronópios! Nem teria este quintal que chamo jardim sem canteiro neste terreno que não começa nem termina. Nem pensaria viagem, festa, alegria quando apenas caminho, e caminho até o outro quarteirão pra visitar a tia.  Se eu fosse um Fama não teria tanto filho que grita, chora, e pede. Nem tanto aperto pra morar, nem tão pouca comida pra comer. Não iria pras praças reivindicar. E todas estas pernas, braços que se enchem de areia, de barro seriam Esperanças caminhando distraídas, alegres e contentes nesta vida… Se eu não fosse Cronópio acho que não queria ser Esperança não. Não esta tal Esperança que não acontece. Nem queria ter a tristeza parada de ser estátua pra ser olhada. Queria o amanhã que não vem… Se eu não fosse! Se eu pudesse deixar de ser fantasia e ficasse vivo, Cronópio esperto! Porque se eu fosse Esperança boba. Se eu fosse Esperança flutuando sem ser, nem fazer, eu queria ser um Homem no sentido completo da palavra, queria pensar, organizar, sentir e caminhar em direção ao Bom,  ao Justo, ao Alegre e  ao Generoso bem do jeito que tem que se deveria ser… Não Cronópio, nem Fama, nem Esperança, nem aqui, nem agora, mas lá! Neste lá possível e esquecido de todos. Elizabeth M.B. Mattos – Torres,  agosto de 2013

250px-Cortázar

Julio Cortázar! Autor de  Los Reyes

Pois é

O amor se repete no dizer, não no sentir. O amor se repete na palavra… Não na voz. Assim mesmo se repete… E fica-se assim a procurar, querer, e sem encontrar naquela medida certa de amar o amor, ao nosso jeito.

Pois é!

 “Amor é um fogo que arde sem se vê;

É ferida que dói e não se sente;

É um contentamento descontente;

É dor que desatina sem doer;

 

É um não querer mais que bem querer;

É solitário andar por entre gente;

É um não contentar-se de contente;

É cuidar que se ganha em se perder; “[…]

Luis de Camões 1524, Lisboa (Portugal) /1580