lado errado do amor

Tu me fizeste sofrer.  O lado sombrio, errado de ser… Nasceste dolorido, desencontrado. Tu me fizeste sofrer: eu te perdoo.

Tu me fizeste amar o amor desgovernado, desmedido. Cuidadoso, cauteloso. Amei o azul… Tu me fizeste sofrer: eu não te perdoo. Elizabeth M.B. Mattos – abril de 2019 – Torres

presença camuflada no boné

lágrima

Tristeza picada. Sorriso inquieto, voz travada. Questão resolvida. Outras corretas questões presentes. Importante energia. Necessária.

Por que se esgueirar? Enterrar passado… Passado necessário: não amputação. Também eu me perco. Elizabeth M.B. Mattos – abril de 2019

 

 

 

estrangulamento

Esta memória (redução de pena/ punição) estremece a alma. Penso: o mal, o mal: o honesto, honesto. O justo, injusto. O particular /o coletivo se estrangula… E vai se escoando num particular de ganância! E o planeta sobrevive… Crime, violência roubo/espoliação, morte na carência, impunidade e vergonha.

E.M.B.Mattos – abril de 2019

Dor do corpo e dor da ideia marcam forte, ia-voava reto tão forte como todo o amor e raiva de ódio. Vai mar…

“Conforme pensei em Diadorim. Só pensava era nele.[…] Com meu amigo Diadorim me abraçava, sentimento meu voava reto para ele…  Ai, arre, mas: que esta minha boca não tem ordem nenhuma. […] Dor de copo e dor de ideia marcam forte, tão forte como o todo amor e raiva e ódio. Vai mar…[…] o mais importante e bonito do mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas – mas que elas vão sempre mudando. Afinam ou desafinam. Verdade maior. É o que a vida me ensinou.” Guimarães Rosa

Quero de volta as minhas janelas para o mar…

Quero de volta tua fala, teu olhar, teu beijo de ontem. O abraço de hoje. Eu te quero de volta para ficar…E nunca sei como te explicar. Elizabeth M.B. Mattos – abril de 2018 – tu levaste os amores passados, e te deixas ficar tranquilo nos meus braços. Eu quero!Eu quero que fiques, meu querido! Elizabeth M.B. Mattos

Quero de volta as janelas por onde o mar se debruçava esmeralda. Quero te abraçar pelas costas. Se vens me ver e me dizer/falar, não te deixo ir, nem voltar…

deixa eu sentir

Antes de escrever, deixa eu sentir.

Estranho este pensar

Assim mesmo és tu: violão, doçura e tanta voz!

Movimento, os cães!

Sem imagem, sem rodoviária, sem voz.

Será que gostas de ervilhas?

Será que existes? Elizabeth M.B. Mattos – abril de 2019

2019-04-18 10.56.13.jpmundo nas fotos NIKON.jpg

luz da lua

Voz, certeza, amontoado de jeito tão ele! …próprio de amar o amor. Teu olhar conversador!

Como escandaliza cimento em excesso: árvores secas. Descaso e preguiça! Elizabeth M.B. Mattos – abril de 2019 – Torres

PASCOAAAAAAAA