Se és meu, se sou tua

Esgrimamos. Súbito as diferenças aumentam. A conversa pesa. Pequenos cuidados a mesa, na maneira de sentar, o tom da voz, o recolhimento se faz necessário… A surpresa de estarmos juntos, outra vez. Formalidade na intimidade. Acredito que a educação se debruça nesta questão: atenção! O outro não sou eu. Parece evidente, mas não é. Amizade exige lapidação. As queixas. O estranhamento. Já estamos plantados no mundo das aparências! Importa o sentido, a continuação… Chegar perto do porquê… Se és meu, e se sou tua, tenho que ser eu… Então a pele, o cheiro, os cuidados, o modo de ser se ampara na equivalência. É preciso domar diferenças. Convergir. Este é o trabalho do amor! Humildade e generosidade. Conviver é uma arte difícil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s