O pecado

Desfigurar o belo, pecado. É preciso segurar, agarrar a beleza… Reter este prazer volatizador. Usar as mãos, o corpo todo. Perigoso forjá-la porque é voluntariosa. Num repente não está mais lá. Não é mais a mesma curva, nem o mesmo ritmo. Ficou esquisito, estranho, feio. Outra picada, outra estrada. Sem perceber a essência desta beleza pousada se transforma. O belo se transmuta reflexo. Simples assim? Aquela tela, este mar, aquele caminho, a pedra, o livro, a mesa, uma cadeira Pantoche, a palavra, o lápis, a rosa, o vermelho tanto como o amarelo estão ali, belos … O exercício de olhar. O que vamos procurar? A sombra nesta foto não é da beleza, mas a tomada de um momento…Talvez esquerdo.

IMG_1304

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s