In absentia

Afinal escrever, apontar fica no jogo de quem acerta quem, e quando. E a certeza de que eu existo enquanto estou do outro lado, no contraponto, ou num tabuleiro de xadrez … Quando as palavras atraem umas as outras pintamos a tela, guardamos referências, e histórias. Ou cartas que abrem novas interpretações.

Revista GUIA das Artes: Ano 5, número 21 Cr$300,00

008 (2)

 Brasileiro Clássico

“[…] falava-se naquele de uma exposição, aberta naquele dia, de Iberê Camargo. Os jornais de São Paulo tinham publicado declarações amargas de Iberê Camargo, relacionando sua obra com a circunstância trágica do homem com suas próprias vivências pessoais. […] Ianelli resolveu jogar na mesa pensamentos do  pintor minimalista Ad Reinhardt, famoso por suas radicais telas monocromáticas em negro. ‘Apresentar a arte como arte, e nada mais, fazendo-a mais pura e vazia, mais absoluta e exclusivista, não representativa, não-figurativa, não subjetiva’, leu Ianelli  de um papel de seus guardados. Mais: ‘O artista vem do artista, assim como as formas da arte vêm das formas da arte, e a pintura vem da pintura. E: ‘A única coisa a dizer sobre arte e vida é que arte é arte e vida é vida, que a arte não é a vida e a vida não é a arte.’ Claro que a intenção de Ianelli não era polemizar com Iberê in absentia, mas sim tentar discutir posturas tão opostas. ‘Com quem está a razão’, provocava, obviamente tendendo a apoiar o purismo de ReinhartdImage

005 (3)

012

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s