Rosaura e Sonia

I

Sonia pendurou as roupas no varal. Quatro fronhas, duas toalhas de rosto, dois panos de prato desbotados. E depois os lençóis. Onde estarão os vestidos, as blusas, as saias? Nenhuma meia. Sonia entra na casa pela porta dos fundos. Já varreu o alpendre. Lavou a louça. Escutou o rádio. Este dia não termina! No entanto, cada vez que pensa no fim, o fim necessário/ fatal da vida, estremece. Não, ela não quer morrer, não hoje, nem amanhã. Pensa no Júlio na Laura, na Vera. E já na cozinha separa ingredientes para o bolo, pensa na batedeira. Descasca as frutas. E sente o cheiro gostoso do amanhã … do amanhecer.

II

Rosaura se surpreende com a chuva pesada. Fecha as janelas. E se deslumbra, atrás da vidraça, a olhar o gramado. O prazer do frescor. Pudesse esquecer aquela inesperada conversa confessional. Sem sofrimento a esbofetear. Uma avó louca. Não, não era louca. Um dia sofreu transtornada. Internaram. Esqueceram dela, simples assim. Morrer é desaparecer da vida das pessoas. Esquecer e ser esquecida. Todos de costas. Já não lembro em qual igreja …

Foto-0035

2 comentários sobre “Rosaura e Sonia

  1. Magda Franciosi 09/03/2014 / 6:04 pm

    Oi estas escrevendo uma cronica, ou romance? Nao estou entendendo. Bjs Magda

    Enviado via iPad

    >

    • amorasazuis 10/03/2014 / 2:05 pm

      Crônicas? Não sei. Romances, gostaria, não consigo. Poderiam ser pequenos contos? Pelo menos estes dois? bj

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s