Julio Carlos ampliou o tempo…

Ainda estou lá, naquele distante lugar do Julio Carlos ampliou o tempo…passado, nunca sai de lá, mas vivo espalhado no passado. Ele é o presente, este passado, e não apenas sob a forma de episódios breves de lampejos da memória. Os milhares de modificações que impulsionaram o tempo, comparadas cm esse presente atemporal do sentir, são fugidias, irreais como um sonho e também traiçoeiras como as imagens dos sonhos. […] Não se deixem enganar por aquilo que, num acesso de ridícula superficialidade, chamamos de ‘o presente’.[…] O que poderia ser mais excitante do que retomar uma vida interrompida com todas as suas promessas? […] Por que temos pena de pessoas que podem viajar? Porque elas, como não podem se expandir exteriormente, também não conseguem se ampliar interiormente, não podem se multiplicar e, assim, não tem a possibilidade de empreender amplas excursões para dentro de si mesmas e descobrir quem ou que poderiam ter sido.” (p.251-153) Trem noturno para Lisboa, Pascal Mercier

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s