Jogo de palavras

“Sou constante, sim, com orgulho, no caminho das minhas indefinições. […]”

001 (2)

“Minha indefinição me faz aceitar cada pessoa como é e leva os demais a me atribuírem uma qualidade que não é minha, é dela (indefinição). Quem me chamar de bom confundira a capacidade de aceitação plena de pessoas e coisas, com bondade. Bondade é uma ação na direção do outro. Os definidos (quando bons) o são muito mais do que eu. Mas a mansidão de minha compreensão, meu medo de ter verdades, minha expectativa ante o enigma, é compreendido com bondade apenas porque nada impõe, pede, cobra ou exige dos outros. Às vezes sou lúcido demais para ser bom. A indefinição me faz partícula de algum cristal, ou mistério alquímico feito para refletir a natureza inteira, filtrando todas as suas cores e irradiações. A minha indefinição é a minha humildade ante o cosmos. A certeza de que não o posso limitar nas fronteiras do meu pobre entendimento. […] A realidade é sempre mais ampla. Ao aprisioná-la (sempre por momentos), não retemos. Sabê-la é transformá-la. Verbalizá-la é privá-la de plenitude. A palavra não esgota a realidade. E até para pensar eu só tenho palavras. Palavras cruzadas. Jogo de palavras. (…)” Artur da Távora

 002

Fotos – Parque Laje – Rio de Janeiro – Pedro Moog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s