18 anos e 40 anos, e 50 anos

001 (3)074004012006 (3)Scan045007011011 (2)009011014 (2)

Prezado amigo:
De repente volto para a casa da rua Vitor Hugo, depois dos quinze a rua André Poente. Elizabeth era/ é meu nome. O jeito certo do pai, e da minha mãe me nominarem. Beth vem da meninada, da escola, de eu mesma a me diminuir. Apequenar. Adolescer. E este tempo já passou. Dizes bem, Elizabeth.
Como crescemos! Mais urgências. Atropelos, escaladas. E solavancos. Para descrever o começo, esboçar a história. Confesso, atrapalhada, medrosa, confusa. A nudez da verdade com o espanto adolescente, ingênuo de se esconder. A boniteza, dizem, abençoa. Abre porta, escancara janela, coloca flores no caminho, ilumina. Pétalas e perfume. A beleza dança. Tudo bem. Não posso o contrário… Século XIX escorrendo spleen, nostalgia. Tedio barra o caminho. Imaginação, já escritura rebatendo a vida comum. Não. A beleza foi suporte. Aceito.
Entrei direto na vida acreditando que podia. Célia Ribeiro me deu mão, a chance. E temos o Jornal Feminino na Globo. Artes plásticas. Literatura. Participei uma noite do Jornal das vinte e duas horas com Lauro Schirmer. Entrevistas. Ideias mimadas. A televisão foi janela. Seguir parecia tão fácil! Revista do Globo inteira a disposição! Queria ser jornalista, escrever. Um dia Flávio Carneiro, cortou a entrevista com Xico Stockinger, duas páginas, publicou uma. Do alto dos meus dezoitos anos reclamei. Respondeu: “Vendes bem capa de revista, não escritos.” Foi a primeira chuveirada gelada. Abandonei o jornalismo da televisão, as entrevistas para a Revista Globo. E o medo entrou na história. Deixo o mato tomar conta do meu campo de futebol. Elizabeth M.B. Mattos, Torres, 2015.

006 (6)FOTOS BETH 016008 (6)006009002 (2)042028001 - Cópia - Cópia

13 comentários sobre “18 anos e 40 anos, e 50 anos

  1. Beth, que lindo ! Que pena que deixou uma opinião atrapalhar teu caminho..mas como digo , o saber ninguém tira…e continuas a escrever com muita propriedade. Adoro teus escritos , sempre transmitindo ensinamentos! conhecimentos e escritos com a alma aberta, alma de uma boa jornalista. Continue com as Amoras Azuis!!!!! Adoro ler ! Bj

    • Na época Lala, aos 18 anos, era indefinido. Do jornalismo pulei para o casamento. Foi um ano na Globo com Célia Ribeiro, e na Revista do Globo. Lamento não ter continuado. Bjs
      Nada publicado, nem a tese do Doutorado. Só o Amoras

  2. Querida prima, lembro muito de ti nesta época e do orgulho da Anita e do tio Roberto contando que estavas na Revista do Globo! Quem te cortou não sabia de nada, basta ler o que escreves. Teus textos são iluminados mesmo, e muito. Sempre recomendo que leiam o Amoras, é bom demais. Espero que continues escrevendo sempre.

    • Fiquei emocionada com o que dizes. Obrigada. O Amoras tem sido o meu canal. A ser revisado, é claro. Teu depoimento é importante. Vontade de chorar pelo que não foi, ou pelo que já passou. Ou saudade deles, de nós. Um beijo prima. Obrigada.

  3. Beth, belos caminhos trilhastes , viveste bem a força da juventude, está e a tua história , 15, 25,35,45,55 …. o tempo vai passando, felizes são os que deixam marcas vividas e curtidas.
    Continua sempre fazendo a tua história!

    • Ter feito televisão foi uma experiência maravilhosa! E Escrever para a Revista Globo também me estimulou. Claro que aos 18 anos temos o poder da coragem … pena ter desistido sim! Ficaram vestígios.

  4. Sensibilidade para a fluidez e o trato com as palavras. Vertes extremamente bem tua veia literária.
    Vá em frente!!! Estarei na fila na noite de autógrafos. Santé!!!! Beijos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s