seu jeito de não estar

 ele existe na memória perdida. Inteiro eu penso/ imagino sem tocar … sem entender.  Como vejo? Dourado. Olhos azuis esverdeados, ou nem sei …esqueci os olhos esqueci a boca, o contorno do rosto, esqueci …   Lá onde eu vejo / onde meu pensamento caminha são castanhos, – verdes, não … são azuis. Tímido ousado. No entardecer insistente …. Seguro pelas mãos, suas mãos. Assim mesmo desaparece, loucura delírio. Apressado … apressado, e eu lenta, tão lenta! … cansada … afoita insegura … indecisa incerta ansiosa triste onde não posso estar. Estou dentro da imaginação. Linha parágrafo, desenho, a sua música, meu querido. Sua memória … seu jeito de não estar.  E não estamos em lugar nenhum. Não existimos. Nem você nem eu. Imaginação de felicidade/ de coisa alegre, somos nós.  Ausente presente inteiro e para sempre vazio.

Caminho apressada tropeço vou escolher flores pequenas do gramado, e alegrar o dia amoroso de ser apenas nós os dois. Eliza Beth / E.M.B. Mattos – Setembro – Torres 2017

flores pequenas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s