relampejam estrelas Simone

A noite é tempestuosa; os ramos dos castanheiros agitam – se, e eles relampejam estrelas.[…] As histórias que perseguem as pessoas até seus quartos de dormir são difíceis. Não consigo prosseguir com esta história. Ponho – me a retorcer um pedaço de barbante; reviro quatro ou cinco moedas no bolso de minha calça.

— As histórias  de Bernard me divertem no começo — disse Neville. –Mas, quando disparam absurdamente e ele tenta tomar fôlego, retorcendo um barbante entre os dedos sinto minha própria solidão. Ele vê todos os seres como imagens com contornos imprecisos. Por isso, com ele não posso falar de Percival. Não posso expor à simpatia de sua compreensão minha absurda e violenta paixão. Isso também constituiria uma ‘história’. Preciso de alguém cuja mente caia como um machado sobre o bloco de madeira; que julgue sublime esse absurdo e adorável o laço do cordão de um sapato. A quem expor a urgência de minha paixão?” (p.39)

Simone: lê mais este trecho que seria meu se assim pudesse ser o meu escrever.

Daqui  a oito dias sairei do trem e ficarei parada na plataforma às seis e vinte e cinco. Então minha liberdade desabrochará, e todas as restrições que a enrugam e encolhem — horários, ordem, disciplina, e estar aqui e ali na hora exata — tudo isso se esfacelará. O dia explodirá, quando eu abrir a porta e vir meu pai com seu velho chapéu e suas perneiras. Vou tremer. Vou romper em pranto. Depois, na manhã seguinte, vou levantar ao amanhecer. Sairei pela porta da cozinha. Andarei pelo pântano.” (p.41)

” Quero dar, quero receber, quero solidão onde possa desdobrar em paz tudo o que possuo. […]  Alimentarei meus pombos e meu esquilo. irei ao canil escovar meu spaniel. Assim, aos poucos, afastarei essa coisa dura que cresceu em meu coração.” (p.42)  Virginia Woolf – As ondas – tradução de Lya Luft – Editora Nova Fronteira, 1980 – Coleção Grandes Romances

Como não posso me identificar? Sim, navego e vomito textos que estão amontoados  misturados. Indigestas leituras, e saboreio aos pedacinhos/ golinhos as que mais identificam  o sentimento, o meu. Respiro e sinto algumas leituras como minhas. Escrever e ler são oficios que se assemelham. Obrigada Simone por trazer de volta AS ONDAS de Virgínia Woolf . Uma onda que a Lya Luft mergulhou. Elizabeth M.B.Mattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s