nas caixas

Mundo Grande (Carlos Drummond de Andrade)

“Não, meu coração não é maior que o mundo, é muito menor. Nele não cabem nem as minhas dores. Por isso gosto tanto de me contar. Por isso me dispo, por isso me grito, por isso frequento os jornais, me exponho cruamente nas livrarias: preciso de todos. […]

A vida coloco nas caixas. E umas sobre as outras se fazem montanha de segredos. Abertas as tampas saltam fotos, textos, passado, sorriso e lágrima. Dentro delas o cheiro da terra, do mato, do sonho, do  papel. Quero que venhas destampar as caixas. Ordenar o tempo: passado presente e …, não quero ver o futuro. Quero esta manhã aberta a entrar pela janela. Quero todas as manhãs. Quero de volta o tempo que me espreita inquieto e aflito para passar. Bizarra pessoa sou eu. Desajustada, espremida, desmaiada de tristeza e alegre como menina. Beth Mattos – maio de 2018 – ainda Torres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s