colheradas

Dia difuso, tomado de saudade… Ora! Ora, ora! Não vivi  isso / não sei onde estás:  imaginação / alucinação… Não faz parte / não pertence / não é a minha vida.  Loucura desta desenhada e colorida imaginação. Elizabeth M.B. Mattos – novembro de 2018 – Torres

Paul Auster em Diário de Inverno – memórias : Fala agora, antes que seja tarde, e depois espera continuar a falar até que não haja mais nada para dizer. Afinal de contas o tempo está – se a esgotar. Talvez não seja pior poderes de lado por agora as tuas histórias e tentares passar em revista o que foi para ti viver dentro deste corpo dede o primeiro dia de que tens memória de estar vivo até ao dia de hoje. Um catálogo de dados sensoriais.”

Foto do Maurício de cotas caminhando na água

Esses livros são as colheradas com que tenho medido a minha existência.” Ian McEwan

Um comentário sobre “colheradas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s