CARTA ROUBADA

O roubo das cartas não foi resolvido. Eu mesma não me importei. …a pensar que são minhas! As desaparecidas. Nada que eu possa ter escrito importa mais do que as cartas dele. Antropofágico. Edgar Allan Poe me devolveu a carta, Eduardo não.

Real ficção.  Inventa – se vida: plenitude e urgência… Onde / com quem estarão as cartas? Elizabeth M.B.Mattos – Torres 2018

“- Bem, posso arriscar – me a dizer que o papel confere ao seu possuidor um certo poder numa esfera em que tal poder é de imenso valor.”  – O chefe de polícia adorava a linguagem diplomática. […]

– Está claro – disse eu -, como você observou, que a  carta ainda está em posse  do ministro, e  é essa posse, e não qualquer uso da carta, que garante o poder. Com o uso o poder deixa de existir.” Edgar Allan Poe

IBERÊ estas cartas

A maldade é um sopro, uma intenção. As cartas, a história. Ou apenas  imaginação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s