ausência

“Queria lembrar -se do filho, mas o filho é uma mancha branca, sem feições, no fundo dos longos corredores da memória. O filho já tinha três anos quando viu o pai pela primeira vez.’Quem é esse senhor?’, perguntou, e ele não se  animou a dizer nada e os outros não disseram nada, porque estar ausente – já se sabe – é estar morto.” (p.87) Eduardo Galeano –Vagamundo

2 comentários sobre “ausência

  1. A ausencia a meu ver é pior que a morte. Com o morto não houve escolha: morreu. O ausente escolhe estar ausente, longe, não participar e vira um fantasma.
    É muito sofrido.

  2. Exatamente. Compreendo e sinto como tu Ana Maria, o ausente escolheu ‘morrer’ desaparecer. É voluntário. Sabe que a ausência dói, mas segue fantasma … Morrer é definitivo, e … tens razão. Causou uma dor que não dependeu dele, não foi voluntária. Ninguém quer morrer, mas ficar ausente é consciente … Tens razão. Dói mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s