tempo ausente

“Maja 

Sim, tu, que estiveste muito mais tempo ausente de caso do que eu… Estás realmente contente por teres voltado?

Rubeck

Para falar a verdade… não… não estou.

Maya  ( com vivacidade)

Vês?! E eu já sabia que ia ser assim.

Rubeck

Talvez seja por ter estado tanto tempo ausente. Tornei – me estranho a tudo o que aqui me cerca… estranho ao meu ambiente natal.“(p.29)  Henrik Ibsen  Quando despertamos de entre os MORTOS

Há qualquer coisa de cruel quando se vive de lugar em lugar, de cidade em cidade, de estado em estado, de país em país, cruel ou dolorido.  Este estar e não estar, contínuo ajuste e reajuste. Paisagem nova, sensação nova, relacionamento novo. Armar tenda cigana e respirar, sorrir, e dançar. Alegria descontínua, paradoxalmente, constante que pode  despedaçar por dentro. Despedaçar seria nunca saber quem realmente somos por dentro, no coração. Constantemente holofotes. Elizabeth M.B. Mattos – 2019 – Torres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s