eu te persigo

vou dançar a tua volta, a seduzir, sem te tocar, apenas te amar com olhar faminto

a música há de nos consumir no ritmo frenético de existir, nada nos possui de  jeito mais profundo e remexido: a música

do teu silêncio eloquente medroso acanhado, mergulho e me  espreguiço neste calor invernoso

és tu derramado no desejo contido de ser jovem, o eterno: não é preciso

no ar o fazer, na espera, no desejo o encanto, a posse

chuviscou / nem molhou, o cinzento do céu anuncia que tudo vai mudar…esfriar? não sei, melhorar a roda alegre de te esperar

sou eu, não sou ninguém, nem loira nem morena, nem triste nem esfuziante, sou eu

hoje vou escrever escrever escrever e fazer o texto relato, aquele cheio de palavras e palavras explicativas: a confusão/confissão de te amar atrapalhado, noutro tempo, já passado sem futuro, num agora esquisito e frouxo como o fato

atados na árvore proibida e passivos, estamos todos no Brasil azul verde e amarelo, o nosso Elizabeth M.B. Mattos – junho de 2019 em Torres a madrugada me acordou de tanto dormir, dormir para passar e acordar, por quê? porque não estás aqui, tu te escondes dos meus sonhos, não adianta, eu te persigo

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s