ameaça

Havia uma ameaça, o possível, a boa ameaça: eu ir ao teu encontro, ou (remota) de vires ao meu encontro. Promessa florida. E as chuvas, o sol quente, as temperaturas de ir e vir nos acompanhavam festivas. Hoje tudo mudou: silêncio e ausência se misturam, eu compreendo.

Chuva forte, frio e eu volto para as cobertas desanimada: mais um dia, menos um dia. Teu nome se arrasta cansado. Viagem longa de esquecer… Beth Mattos – agosto – 2020 – Torres

As vidraças respondem ao gritedo desta chuva, sem vento, uma água pesada…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s