pés gelados

Alguns, muitos, ou apenas certos dias esquisitos me atropelam: a terra treme. Os pés doem, e me surpreendem. A cabeça ferve… Escorre dor pelo corpo. Na febre adormeço. O peso do/no dia explode e se espicaça… Na febre adormeço. Elizabeth M.B. Mattos – agosto de 2020 – Torre – dizem – amanhã, ou depois de amanhã, fará muito, muito, muito frio, talvez neve. Verei a neve, o mar congelado, e o céu chumbo, ou negro, ou branco. A terra me amedronta com a ventania e o espanto de revolta se escreve apressado. Sou eu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s