Luiza Mattos Domingues

Luiza Mattos

29 de junho de 2014  · Recife, Pernambuco  · Para que os dias não sejam iguais:

Devem ser reais, brutos, vivos, originais .Aliás, não devem nem mais nem menos. Não devem ser amenos, não devem ser pequenos. Necessitam da extinção do pudor, da escassez, da avareza. Que deixem pra trás o rancor e a dramática novela mexicana. Que sobre à mesa a flor e o frescor da verdade. Que exista fartura de alegria, o não exagero da dor. Que a lama seja mais importante que a fama. Que a cama seja macia e sincera. Dias de consciência e resistência. LMD

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s