(a vida é, assim, feita a golpes de pequenas solidões) Roland Barthes

Quando eu te vejo (não consigo deixar de te espiar): eu te fotografo, mentalmente. És lembrança num agora do imaginário / num antes, e, neste depois silencioso. Não és, eu sei, mas tão completamente inteiro! És tu sendo apenas meu, assim como Barthes explica, o texto se alarga. Sinto teu cheiro, levanto as pedras para desobstruir teu caminho, e, sinto no teu beijo, o inteiro, não apenas a tua boca. Beth Mattos – julho de 2021 – Torres

” Eu queria, em suma, que minha imagem, móbil, sacudida entre mil fotos, coincidisse sempre com meu “eu” (profundo como é sabido); mas é o contrário que é preciso dizer: sou “eu” que não coincido jamais com a minha imagem; pois é a imagem que é pesada, imóvel, obstinada (por isso a sociedade se apoia nela), e sou “eu” que sou leve, dividido, disperso e que, como um ludião, não fico no lugar, agitando-me em meu frasco: ah, se ao menos a Fotografia pudesse me dar um corpo neutro, anatômico, um corpo que nada signifique! Infelizmente, estou condenado pela Fotografia, que pensa agir bem, e ter sempre uma cara: meu corpo jamais encontra seu grau zero,[…]

Ver-se a si mesmo (e não em um espelho):” (p.23-24) Roland Barthes A Câmara Clara

Significado de Ludião. substantivo masculino Figurinha, que flutua numa garrafa cheia de água, e que serve para demonstrar a teoria da aerostação. Lúdio – Google

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s