impaciente

Talvez o certo seja mesmo certo copiar/imitar/pensar o pai, seguir a mãe e se emparelhar com os irmãos: seguir a sombra dos filhos e dos netos, parar de respirar, suspirar, e ter avós. Ou seguir a inspiração da imaginação. Fazer/realizar/construir tudo antes da inspiração inundar o dia, e quando a noite chegar, apenas adormecer. É preciso desconfiar da imaginação. Queira ou não, ela deforma, joga em uma certa direção, que nem sempre é a verdadeira. Assim, o que está desenhado na tela de manhã, no fim do dia se desmancha em cor. E o traço? Desapareceu. As pinceladas somem nos talhos do dia… E eu tenho uma tela manchada, sem risco, mas com sulcos: o verdadeiro escondido. Sou eu querendo saber de ti, da tua lágrima, do teu pesadelo, da tua cura, teu caminho. Tu estás em mim. Não sei o meu lugar. Estremeço. Elizabeth M.B. Mattos – fevereiro de 2022 – Quando penso Rio de Janeiro, onde tu estás.

Copacabana, fevereiro de 2022 – um instantâneo do Pedro Moog
da janela, cedo, antes do calor, antes de fazer dia inteiro/completo, antes da feira livre e da calçada

Um comentário sobre “impaciente

  1. A foto belíssima retrata bem o traço do dia como você disse. E depois tudo se desfaz. Mas contradigo sobre o imaginário. Nossa percepção é, na minha humilde opinião, a projeção do subconsciente. Este aspecto da nossa mente, que sempre está em conflito com o consciente, nos confunde. Eu prefiro a intuição feminina. Ou mesmo o impulso precipitado masculino do agora tudo ou nada. Sabe. Espero que descubra onde ele anda mas eu desconfio, apenas desconfio, que ele está no seu coração minha amiga querida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s