anos e datas e contas

As contas definem a história e derrubam emoções, amarram o tempo. Denise menciona o vento Minuano! Verdade! Como pude esquecer? Ele dinamiza o Rio Grande do Sul! Casacões e frio danado… Colorida memória. Fui fazer as contas! Céus! Danada confusão. Apertados os nós cegos. Memória divididas por cercas de cipreste, de rosas, de hortênsias, cercas do medo, cercas da expectativa, as cariocas. A vida fatiada e dividida. Vou desamarrando os anos numa avidez obstinada! Erro as contas. Uaiiii! Não sei mais somar nem diminuir! (risos) Vou logo para as datas de nascimento dos filhos! Dos quatro. Os cariocas e a gaúcha! Eu me digo tanto carioca! De onde arranquei esta ideia? Vai haver/chegar um tempo que Luiza (a caçula) se dirá pernambucana! Estes emaranhados fazem, a bem dizer, a cerca de arame farpado! Cuidado! E lá fui eu a constatar que quarenta e dois anos de Rio Grande Sul pesam, abertamente, contra os quatorze anos de Rio de Janeiro! Não vou dividir mais, mas as multiplicações e divisões gritam! Quantos anos em Santa Cruz do Sul / Rio Pardo, quantos na rua Vitor Hugo em Petrópolis de Porto Alegre e quantos anos em Petrópolis do Rio de Janeiro? Estaciono na Porto Alegre em que morei na casa da irmã Tânia no Moinhos de Vento. E Torres? Torres se perpetua porque arrasta na memória os verões de criança, os da adolescente. Torres abre um parêntese quando penso no trabalho. Outra tabela: os empregos e a professora. Os de estudante também dividem o tempo e a formação. As casas. Tudo plural. Nada um, mas dois, ou três e as contas se amontoam, as histórias importam mais ou menos dependendo da emoção. Como fazemos as contas? Como posso agarrar um fio e seguir, não…, conta a história, a verdadeira história, complicado: lanternas, lampiões, velas, holofotes, sinaleiras / semáforos e a música. Vou ter que respirar, fazer gráfico! Enfim! Cada dia se transforma num evento! E nem vou mencionar o amor dos amados / das paixões violentas, daquelas mansas e doces que se eternizam e do emaranhado de alegria e felicidade! Em qual galho eu me agarro, por onde começo? Elizabeth M.B. Mattos – julho de 2022 – Torres – Denise Riet és um facho de luz! Obrigada! Interlocução!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s