Ingenuidade

O apito do guarda noturno, o gosto do açúcar, o olhar agudo sobre o desconforto. Depois o pão quente  devorado com manteiga, o chá bebido como água  quente,  velho? A pressa de comer em casa, de enrolar-se na manta que trouxe. Os olhos na poeira dos móveis, a falta de ar… Engolir a comida. Comer com voracidade, desgovernar-se… Angústia de estar fora do seguro universo conhecido. A língua ligeira pra apontar o errado, a intimidade que constrange. Uma vez, duas, depois o outro, aquele que ouve, começa a sentir cansaço, mesmo exaustão. E o silêncio se instala. Estar calado, ou enfurecido no tédio também pesa. Espiando atrás da vidraça as pernas tortas desta, o chapéu daquele outro, a gordura do velho, a roupa esquisita, a histeria do cachorro… Um ser enfurecido, um temporal de chuva pesada no quintal da tua casa. Nenhuma paciência ou tolerância!  E todos se minimizam na simplificação negativa de um mundo estereotipado. É preciso esterilizar as pessoas, e resguardar-se. Atrás de um sorriso acolhedor escorre o veneno diante da ingenuidade do trato.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s