Decisão de um pai

A decisão de um pai, o desejo de superar, de aceitar o desafio, lutar a favor dos filhos!

A decisão de um pai, o desejo de se livrar do problema; rejeitar, desistir de um filho!

Não são batatas, são seres humanos. Não existe uma receita para ficar maravilhosos.  Existe amor. Aliás, quem cozinha sem este tal de amor, também não acerta… A vida é um ato de superação, e os homens agregam, ou são assassinos. A guerra é desistir, lutar invertido… A guerra em família é um modelo que se multiplica como fez Richard Kretschmar.

“Acariciei o peito de Tito. Ele permaneceu morto. Acariciei o peito de Tito. Ele permaneceu morto. Acariciei a perna de Tito. Ele permaneceu morto. Acariciei as costas de Tito. No momento em que acariciei suas costas, deu-se o inesperado. Subitamente, ele contorceu o corpo e arqueou a coluna. Tito ressuscitou.” (p.36)

“Adolf Hitler, em 1939, recebeu uma carta de Richard Kretschmar, um lavrador de Leipzig. Richard Kretschmar implorava a Adolf Hitler que o ajudasse a matar aquele que – na carta – ele chamava de ‘monstro’. O ‘monstro’ de Richard Kretschmar era seu filho Gerhard Kretschmar. Gerhard Kretschmar nascera cego, maneta e perneta. Ele nascera também, segundo seu pai ‘idiota’. (…) Em 25 de julho de 1939, aos cinco anos de idade, Gerhard Kretschmar foi executado com uma alta dose de Luminal. (…) O extermínio de Gerhard Kretschmar – um recém-nascido inválido repudiado pelo pai – assumira o caráter de extermínio de um povo: o Holocausto.” (p.39-40 e 45)

Diogo Mainardi A QUEDA

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s