Quinze Anos

Aos quinze anos, perdia  as noites

ou madrugadas pra ler.

Anotava as descobertas,

ia chegar a saber.

O poema é que existia

e me propunha ir ao fim

desta vida ou do poema.

Além dos dias, do mundo,

eu vivia para ler.

Agora desço a lomba

e não terminei de ler,

a ver se um dia me apronto

para em verdade viver…

Aqui e Agora: 2003 -página 48

Paulo Hecker Filho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s