Não é erudição

 

Por que não escrever com as minhas palavras. Não tenho. Contar o impossível? Distorções e deformação. Inevitável. Fico confusa quando as citações parecem pedras, e não flores… Vejo jasmins, hortênsias, pequenas orquídeas, e não pedras. Como pitangas, amoras, jabuticabas, manga, e não ostras ou caviar. Bebo água da torneira. Não é erudição, muito longe disto. Os livros são cacos, aparas, comida, estranhamento. E se comungas…Dá vontade de sair lendo em voz alta caminhando atrás das pessoas, qualquer ouvido, qualquer par de olhos, todas as horas, é a hora pra despejar no outro um pedaço do livro, uma página rasgada que possa instigar. Eu sou a voz comum. O caranguejo que vai pra frente e pra trás, O autor, aquele escolhido…É diferente! Como explicar? Transcrevo. Elizabeth M.B. Mattos – Torres – 2013

“O amor é o drama da inteireza, da unificação. Pessoal e ilimitado, ele leva à libertação da tirania do ego. O sexo é impessoal, e pode ou não ser identificado com o amor. O sexo pode fortalecer e aprofundar o amor, ou trabalhar destrutivamente.  (p.74-75)

O mundo do Sexo – Henry Miller.  Ed. José Olympio. 2007.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s