Je m’ en vais

“Ce n’ait qu’un lieu de passage, un sas, une fragile façade au milieu d’une plaine, un belvédère…(…) grains de sable de tous les déserts, paillettes d’ or et de mica de tous les fleuves, poussière vulcaniques ou radioactives, pollens et vírus, cendre de cigare et poudre de riz.” (p.10)

Je m’ en vais: Les Éditions de Minuit, mars 1974

Começa assim o livro: “Je m’ en vais, dit Ferrer, je te quitte. Je te laisse tout mais je pars.”

Jean Echenoz

Acho que estamos sempre abandonando, deixando alguém, alguma coisa para trás .., o recomeçar tem um gosto/sabor de perda/abandono. E ao mesmo tempo gosto de liberdade, de voltar … O estranho destas pequenas histórias são os possíveis amigos, os desconhecidos prazeres e os desejos frustrados. Estamos sempre a pensar esperança azul rosa, e no amarelo, porque ilumina. E o verde acompanha toda a natureza. Pincela o mundo. Elizabeth M.B. Mattos -, presente do Branco e da Lizete este autor que gosto tanto, alguém viaja e eu ganho mais luz … março de 2013, em Torres.

2 comentários sobre “Je m’ en vais

  1. o amor é assim…uma passagem frágil. Fazemos planos. As erupções de sentimentos e emoções são inerentes… Brigitte já dizia: Nada melhor que um uísque antes e um cigarro depois. É isso ou viajei?!

  2. Uma metáfora dentro da metáfora. Um lugar de passagem povoado… Areia de todos os desertos, filetes de ouro, e granito de todos os rios, poeira vulcânica ou radioativa, polens ou vírus, cinza ou pó… O amor tem um pouco disto tudo. Bonita a tua leitura! O amor é o conjunto disto tudo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s