Abraçados

Esta coisa de uma noite, um dia… Não define a contagem de tempo, mas mede  angustia, susto. Mede a dor. A dor física que limita. Grita sem som para dentro, presa.

E o menino, para salvar o avô do fogo, voltou para dentro da casa em chamas. Os dois morreram abraçados. As lágrimas não sufocaram a mãe. Existe milagre, beleza.: amor naquele abraço. Transformação. Encontraram os dois, avô e menino, abraçados. O gesto que estamos esperando todos os dias, o abraço.

As pombas rolas voltam para o velho ninho, mas trabalham na renovação da casa.  

Imóvel, observo.  E agora tenho Virgínia Woolf nas mãos?  Texto perfeito. Invólucro belo. Tratamento cuidado,  – prazer.

“Mas que é, afinal, uma noite? Um curto espaço, especialmente quando a escuridão diminui tão cedo, e tão cedo um pássaro chilreia, um galo canta ou um verde desmaiado se aviva, como uma folha revirada no oco de uma onda.” (p.17) O tempo passa, Virgínia Wolf, Edição bilíngue. Coleção Mimo Autêntica Editora, 2013. Belo Horizonte.)

007 (4)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s