Paty do Alferes
Paty do Alferes

Onde tua vontade de recomeçar, meu amigo. Em que que momento desaparece a nossa inquietude. Inventário. Pacientemente, aos poucos, foste doando roupas móveis luxo lembranças. Despojado íntegro, como sempre acreditou ser o certo. Agora apenas borboletas. Vou procurar seus/nossos amigos do tempo e do silêncio, aqueles que sabem quem és … E voltaremos.

Aos netos livros infantis, ilustrados. Violas violões. Seu trabalho se movimenta colorido. Perfeito na delicadeza do olhar. Afinal, estamos contigo aqui em Paty dos Alferes. O silêncio  tem voz. O céu bate em minha cabeça. Cola recolhe inventa e acerta. O prazer se dobra num sorriso comedido. Como te sinto!  A lembrança na incoerência. Jogaremos fora dispendiosos adereços inúteis. Vamos semear flores. Ouvir o silêncio.

Sono. Tanto sono! Depois quietude. Depois de tantos outros depois inexplicáveis… Raiva, outra dor. Insuportável incerteza. Não foi dito. Depois olhar, olhar… A terra devora. Pedras. Ladeira, trilha. Ternura verde. Quietude. E a beleza se explica. Alívio endurecido agônico vazio. E já uma saudade enviesada … mesmo sabendo que estás tão perto. Elizabeth M.B. Mattos – refeito em abril de 2018

319063_4501317863565_1891555498_n

 Fotos de Luiza M. Domingues

530959_4501319303601_629584218_n (1)

IMG_6093

Geraldo

OS MEUS FILHOS

Rio de Janeiro  2014

No Post  Túnel do Tempo, o começo de nossa história.

Paty do Alferes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s