Passos perdidos

“Silêncio é palavra do meu vocabulário. […] Sei como se pode especular com o silêncio, como medi-lo e enquadrá-lo. Mas agora, sentado nesta pedra, vivo o silêncio; um silêncio vindo de longe, denso e tantos silêncios, que nele a palavra adquirira um fragor de criação. Se eu dissesse algo, se eu falasse sozinho, como faço frequentemente, assustaria a mim mesmo.” (p.104)

“[…] lá onde começa a proliferação de suas ilhas incontáveis, a cem léguas do Oceano. Junto a ele, que é celeiro, manancial e caminho, não valem as agitações humanas, nem se levam em conta as pressas particulares. Os trilhos e as estradas ficaram para trás. Navega-se contra a corrente ou com ela. Em ambos os casos é preciso ajustar-se a tempos imutáveis. (p.105)

Alejo Cartentier, Os passos Perdidos, –  tem como cenário a Amazônia.  O romance expõe a visão de Carpentier do mundo, e da história: uma contínua procura do começo de tudo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s