Azul na memória

Derramam azul no rio. Derramam azul nas calçadas.
Ao vento, no sopro do sonho.
Quanto sol nesta chuva! Venta no molhado deste outono.
Escondidas no bolso do avental as amoras também derramam azul na memória.

Escrevo um bilhete para acolher tuas palavras … Elizabeth M.B.Mattos – Torres

Um comentário sobre “Azul na memória

  1. Estou lembrando do jogo de palavras de João Guimarães Rosa no seu “Ave, Palavra” – livro póstumo: “O azul sugere e recorda. Mas só do nenhum verde é que saem as vivas aparições.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s