Um banho demorado

 

Sentei para escrever. Senti muito frio. Um gole de uísque. O sol entrou pelas duas janelas abertas, assim mesmo senti frio. Pensei em caminhar. Desisti. Planejei/preparei um banho. Gosto de dormir bem cedo, e gosto dos demorados, ou rápidos banhos de chuveiro. Demorado, perfumado. Quente. De banheira. Depois uma ducha para lavar os cabelos. Não sei se foi toda uma hora, mas foi demorado. Completo. O prazer sobe devagar, e se apossa do corpo, amolece o pensamento. Toca o sentimento perfeito de sentir. Enrolada na toalha recebendo o quente do sol. Direto no corpo. E me estiquei na cama sentindo o cheiro de alfazema, vendo as flores azuis, miúdas. Escutando o vento na conversa. Quase adormeci. E a presença da minha mãe encheu o quarto de alegria, e como se pudéssemos ainda ficar juntas ela me disse: um banho quente e demorado pode cansar!  Olhei para ela, não respondi.

Um banho quente e demorado dá prazer, luxúria, quase um pecado. Lassidão. O sensual do creme, do óleo entre as pernas, nos seios, no pescoço. Nos pés, entre os dedos, e já queremos dormir. Um banho demorado… E, significativamente, o prazeroso ficou cansativo. Ela tem razão. Quando fazemos setenta anos cansamos se o banho é demorado. Estou envelhecendo.

Depois do banho, perfumada, preparada, pronta, adormeço. Não olhei para o pé de louro do jardim. As duas amoreiras. Nem escutei os passarinhos. Ou as vozes. Puxei o lençol paro cima de meu corpo fechei os olhos. Envelheci.  E logo estava dormindo.

“ Finalmente, entretanto, fez uma pausa. Estava descrevendo, como fazem sempre todos os jovens poetas, a natureza, e para acertar com precisão o matiz de verde olhou (e aqui revelava mais audácia que a maioria) para a própria coisa, que por acaso era um pé de louro que crescia debaixo da janela. Depois disso, é claro, não conseguiu escrever mais nada. O verde da natureza é uma coisa, o verde na literatura , outra. A natureza e as letras parecem nutrir uma mútua e instintiva antipatia; junte-as e uma destruirá a outra.”(p.13)

Orlando uma biografia, Virginia Wolff

Um comentário sobre “Um banho demorado

  1. Gostei da sensualidade que colocaste no texto, bem descrito e saboroso de ler.
    A dureza do envelhecer também sutil e bem colocada
    Ótimo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s