Distraídos

O Eu pertence a todos. Marguerite Duras, Ernesto Sábato, e as cartas de Iberê Camargo. Contos, autobiografia, infinitos autorretratos. Iberê pintor, depois escritor.  Sábato, cientista, escritor, depois pintor. Marguerite Duras pinta ao escrever. Individualiza o que aparentemente pertence a todos…  Imaterialidade no texto.

O corpo dos escritores participa de seus escritos. Os escritores provocam sexualidade a seu respeito. Como os príncipes e poderosos. […] Eles são objetos sexuais por excelência. Ainda muito jovem, aconteceu-me sentir atração por homens mais velhos pelo fato de serem escritores. Jamais fui capaz de conceber a sexualidade sem a inteligência ou a inteligência sem uma espécie de ausência de si mesmo. Muitos intelectuais são amantes desajeitados, tímidos e amedrontados, distraídos. Para mim tanto faz, a partir do momento que, longe de mim, eram escritores igualmente distraídos de seus próprios corpos. Já notei que os escritores que fazem amor maravilhosamente são muito menos grandes escritores que os que não fazem amor tão bem, que têm medo. (p.69)

A vida Material, Marguerite Duras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s