Virando a página

casa dois

Não sei medir o apressado da leitura nem o quanto posso ser lenta para terminar o/um/ ou dois livros … ou uma página de amor apressado/ malvado. Intenso tempo despedaçado sofrido arrastado atropelado  e encantado. Descabelado como gosto de usar, ou melhor,  atabalhoado  … real e fantasioso. Qual é a medida? Não sei . Quem escreve só começa a respirar quando produz/escreve/ diz … Verdade parcial. Tem grito sobressalto gemido. Há tempo de divertir, tempo de arrumar, lavar.  Tempo de doçura. Há tempo de fechar a porta. Tempo da preparação. Há o tempo sol/luz gloriosas janelas abertas. Tempo de não existir, desaparecer. Não falar, nem ouvir. Tempo de dar voltas e voltas pela lagoa. E aquele precioso tempo do vazio completo em que o tédio parece constituir o próprio tecido da vida. Mas é virando a página de cada história que respiro. Ficam os/as/ muitos personagens mentiras verdades fatos sentimentos de raiva e amor. Eles aparecem desaparecem se estratificam  … Como a página virada do livro. A página escrita de um Diário, o prazer de um sábado que termina e se atira no domingo manso da Páscoa. Penso que se atirar é coisa boa. Elizabeth.M.B.Mattos – Torres, abril de 2017 –

CASA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s