devagar confesso a dificuldade de contar o que sei com medo de errar

nunca vou dizer como era porque era do jeito deles fazerem as coisas não era o que eu podia ver/ fazer/ olhar, mas ficava só o que  imaginava… destas histórias de contar. Tem uma veia que se  rasga honesta e a outra fica segura/ amarrada fantasiada, instigante, perfeita, então para escrever é preciso se refestelar na ginga.  Pula, canta, e me encanta a lembrança. No medo escuro da única e necessária verdade,  eu me escondo …. e pergunto se importa o que escrevo? A escola, as mágicas da casa da Rua Vitor Hugo 229 … a menina das festas dos saltos altos, das roupas impecáveis, dos cabelos fartos, e namorados tímidos  … tudo tudo tudo verdade, vou contar do jeito que chega que veio que saltou … Elizabeth M.B.Mattos, Torres 2017

BETH APAIXONADA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s