brejeirice de um beijo

 … aroma cheiro e presença humana! … libertar sentimento e voz.  Brejeirice  jovem. Mesmo assim não  fomos tu e eu. A chuva reinventa o segredo. Corremos para o mar. Trovões e raios gritam o perigo. É preciso andar de volta no tempo.  Reencontrar  a diferença de quinze anos, ou já passaram vinte e cinco? … Querer voltar para trinta ou quarenta anos atrás … quando ainda não eras tu, nem eu era eu.  A certeza dos teus olhos presos no meu olhar. Invisíveis nós dois. Vamos desnudar, inventar, fantasiar … Amarrada, enfeitiçada … Suspensa pela fragilidade do encanto, assim eu estou a tua espera presa nos meus dezessete anos .

No piano a canção. Três casais dançam, nós apenas nos olhamos … A casa da avó, o silêncio da rua Vitor Hugo, a certeza do para sempre … afinal, nos encontramos. Elizabeth Beth Mattos  – Outubro de 2017 – Torres

[…] “o assoalho e a mobília estalavam no silêncio, e de algum modo a peça dava sempre a impressão de uma presença humana. A despensa era o lugar que ele tinha mais prazer em visitar, o que raramente acontecia. A mão da avó girava a chave numa porta pintada de vermelho vivo e libertava uma lufada de aromas: os cheiros de salames e presuntos defumados […] p.11 Czeslaw MILOSZ  – O Vale dos Demônios – 

cropped-bgv21.jpg

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s