praia deserta vazia e vento

A praia  o mar tinha proteção dos molhes, não chega água marrom. Verões de roupa nova, data, – pouco importa. Era um final de ano. A decisão aponta dura definitiva enrijecida. Liberdade importa,  dar rumo ao rumo, rebeldia. Sabor novo.Tentativa inútil de tentar o porquê. Fui movida pelo instinto. Nada me faltou naqueles anos de abastança, ao contrário. Era o excesso que me afogava: excesso de pessoas, de mimos, de sexo, de noites brancas, de música, excesso de luxo. Excesso devorador. Excesso de trabalho também. A mesa verde coberta por dicionários, gramáticas.  … a mata o canto da passarinhada. Domingos longos e saciados. Elizabeth M.B.Mattos, – outubro de 2017 – Torres

“No vasto silêncio destas noites de inverno há um único relógio: o mar. Ressoando em minha mente, seus movimentos incessantes são a fuga sobre a qual soando em minha mente, seus movimentos incessantes são a fuga sobre a qual este escrito se compõe. Cadências vazias de água marinha a lamber suas próprias feridas, avançando pelas fozes do delta, fervendo nas praias desertas – vazias, para sempre vazias sob o voo das  gaivotas: garranchos brancos sobre o cinza, ruminados pelas nuvens. Se alguma vela se aproxima daqui, morre antes que sobre ela recaia a sombra da terra firme. Destroços de naufrágio surgidos non frontões das ilhas, os últimos vestígios, corroídos pelas intempéries, presos nas mandíbulas azuis do mar … desaparecidos!”(p.16) Justine – Lawrence Durrel

A praia  o mar tinha proteção dos molhes, não chega água marrom. Verões de roupa nova, data, – pouco importa. Era um final de ano. A decisão aponta dura definitiva enrijecida. Liberdade importa,  dar rumo ao rumo, rebeldia. Sabor novo.Tentativa inútil de tentar o porquê. Fui movida pelo instinto. Nada me faltou naqueles anos de abastança, ao contrário. Era o excesso que me afogava: excesso de pessoas, de mimos, de sexo, de noites brancas, de música, excesso de luxo. Excesso devorador. Excesso de trabalho também. Cadernos, folhas, exigências; escolasss alunos particulares. A grande mesa verde coberta por dicionários, gramáticas e a máquina elétrica ficava na ponta, pronta; cães espiam  portas janelas abertas … a mata alimenta o canto da passarinhada. Os domingos eram longos e saciados. Elizabeth M.B.Mattos, – outubro de 2017 – Torres

também boa esta foto da marinha e do sapo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s