o amor se explica por ele

Em qual pedaço/parte/momento,ou jeito eu me encontro comigo mesma pelos teus olhos – poetas, … tão particularmente linda a imagem que vejo de mim! Encontrar este você que és tu … um presente de doçura esquecida, afinal, existe/está em ti  … um agora para lembrar depois/ ou ainda amanhã neste amanhecer da manhã de te beijar, acarinhar. Estar na lembrança de sentir tu e você no amor de amar. Aquieto o corpo no piano, na sonata, neste lustro de tempo de viver tu e você. Elizabeth M.B. Mattos outubro de 2017 – Torres

Observando o calor benigno nos  olhos de Nessim e lembrando de todos os boatos escandalosos sobre Justine, percebi que tudo que ela supostamente fizera, de certo modo, havia feito por ele – mesmo aquilo que parecia cruel ou prejudicial aos olhos do mundo.  Seu amor era como uma pele no interior da qual Nessim se abrigava, como Hércules quando criança; e os esforços  de Justine por encontrar a si mesma, em vez de afastá -la  dele, sempre aproximaram – na ainda mais. Sei  que ao mundo não interessa tal sorte de paradoxo; mas tive a impressão de que Nessim conhecia e aceitava a esposa de uma forma impossível de explicar a alguém que ainda confunda  amor com posse.” (p.32) Lawrence Durrell JUSTINE O Quarteto de Alexandriano-chao-pouco-nitida

sofá ótima

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s