imaginação faminta

…, pé ante pé, devagar, atenta subo os degraus …não quero te acordar. A casa dorme. A memória descansa. A saudade doente que sinto de ti, se acalma. Amanhece devagar neste dia primeiro de dois mil e dezoito. Ano par que me devolve o ano dos meus dezoito anos. Esperei tudo devagar, espiando, … Gosto desta piação. A passarinhada amanhece antes de mim. Estou viva, escandalosamente viva! Elizabeth M.B.Mattos  janeiro de 2018

– É você, Henry? – perguntou em voz alta. Não ouviu resposta, mas a casa reverberou outra vez.

– Henry, você entrou?

Mas era o coração da casa batendo, de leve no início, depois mais alta, marcialmente. E abafou a chuva. A imaginação faminta é a que tem medo, não a bem alimentada. Abriu a porta que dava para a escada.” (p. 214) E.M. Forster  Howards End

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s