se eu pudesse

se eu pudesse estaria do outro lado

se eu pudesse seria nuvem;

se eu pudesse estaria no Japão

se eu pudesse seria magra, magra, magérrima,

e o neto me levaria nas costas (ou na mala).

Creio que para o artista, assim como para o público, arte é uma coisa que não existe; ela existe apenas para os críticos e para quem é dominado pelo cérebro anterior. Artistas e público são como sismógrafos, limitam-se a registrar uma descarga eletromagnética que não pode ser racionalizada. Tudo o que sabemos é que alguma transmissão acontece, verdadeira ou falsa, bem ou malsucedida, ao sabor do acaso. Não adianta tentar decompor e analisar seus elementos – não se chega a lugar nenhum. (Suspeito de que essa abordagem da arte é comum àqueles que são incapazes de render-se a ela!) Um paradoxo. Enfim.” (p.89)  Lawrence Durrell Mountolive terceiro volume do Quarteto de Alexandria

E.M.B.Mattos – janeiro 2018

cerejeirassssssssssssssssssssssssssssssssslindas

Foto:  Japão 2018 Julho in Yugawara – Nanique Kok  Instagram: naniinnihon

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s