Protesto

Adormece o envelhecido corpo. Cabelos ralos, rosto deformado. A velha se remexe na cama procura o sono: nada. Uma palavra puxa outra. Ideia firme de fazer  e desfazer. Trocar ficar ou ir. E o fluxo segue … O desconforto da idade. O poder vai diminuindo no passar do tempo como acontece com as crianças. Fico desastrada distraída ensimesmada susceptível. Copiamos e erramos. Pequenas observações pontuam um jeito de ser.  Ouvir a reprovação incomoda. O olhar tolerante desaparece. Ao envelhecer cada passo tem o peso de um ano. O gesto define desenha reafirma. Cavernas necessárias! Não é possível lutar nem querer nem mudar. Aceita-se o mundo. A greve é um protesto. O protesto um grito. O grito a revolução. E depois a guerra. Elizabeth M. B. Mattos –  maio de 2018 – Torres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s