de amor

– procurei pelas safras de amor que desde cedo o nascimento, vida e morte e imortalidade, planto agora tão amorosamente.” Walt Whitman

As queixas de amor, quando amor já não é mais amor, mas apenas dor. Apenas a dor de termos, afinal, outra vez, amado errado. Depois de tantos tropeços, não morremos. A vida segue vida atrelada aos cadáveres de outras vidas. Um poema. O amor há que ser sério, engajado, liso e frutífero. Nunca lúdico ou solto. Elizabeth M.B. Mattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s