invisível

Não quero dizer/escrever que ele desapareceu. Apenas passou a estar menos presente do que até então, muito menos presente, e, é certo que o essencial da recordação está confinado ao pequeno mundo da minha imaginação.

Um jogo/brinquedo que a memória faz com pessoas mais velhas, ou mais distraídas, ou cansadas. Brinquedo de esconde-esconde. Aquilo que estou a procurar desaparece. Se é livro, acho normal, nada mais invisível que um livro no meio de outros. Na gaveta a blusa, penso, dei para alguém, lavando não está. Amanhã arrumo o armário outra vez. Se é a latinha de Coca-Cola, ué, eu já bebi, e não me lembrava. Maçãs? Fico intrigada, será que eu fiz o suco com limão? A blusa pendurada no varal, o livro na pilha daqueles da cabeceira, as maçãs na gaveta da geladeira. E a pá do lixo, exatamente, no mesmo lugar, a escada escondeu um pouco. Então comprei outra. Que surpresa! Lá está ela, junto aos baldes! E eu me olho ao espelho. Impressionante as rugas, as pálpebras pesam, e a boca esticada. Envelhecer é um fenômeno. De repente, de um dia para o outro … Elizabeth M.B. Mattos – novembro de 2018

4 comentários sobre “invisível

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s