A Ladeira da Memória

Velhas e incansáveis citações. O livro me perturba, estremeço. Preciso me agarrar ao corrimão e descer as escadas devagar. Subir parece mais fácil.

“-Não sei se me faço entender… Se queremos andar, caímos. Já a noite, todavia, anda muito certinha desde milênios. Isto é, certinha relativamente. Na grande viagem ela também oscila um pouco na ‘bitola’ por causa das folgas e apertos a que os sábios chamam mutações e processões…

De fato íamos num embalo.

-Ah! A noite! Vai atravessando estas bandas, desmesurada e compacta, preservando o que recebeu do dia, guardadora fiel da contingência legal do tempo horário… Sim, realidade opaca, não imóvel nunca mas sempre conteúdo e medida, instante e sucessão, ela é indiferente e cega, cega e inumana…

Pensei comigo: ‘ Meu tio deixou de ler os clássicos, anda agora a ler ciência e filosofia…” (p.21) José Geraldo Vieira A Ladeira da Memória

Eu me salvo a cada parágrafo. Beth Mattos

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s