identidade

Identidade e posse.

O vaso de cristal está no  centro da mesa: coloco  pratos coloridos, copos transparentes e talheres de prata. Guardanapos com monograma. Para a mesa redonda seis cadeiras. Todas diferentes. O sol entra pela fresta da veneziana, e o cheiro de grama molhada invade a sala. Qualquer objeto aquece aumenta o sentimento.  Eu me sinto poderosa, iluminada, embora meu vestido seja preto, e os brincos pequenos. Espero.

Imagine-se, agora, um homem privado não apenas dos seres queridos, mas de sua casa, seus hábitos, sua roupa, tudo enfim, rigorosamente tudo que possuía; ele será vazio, reduzido a puro sofrimento e carência, esquecido de dignidade e discernimento – pois quem perde tudo, muitas vezes perde a si mesmo; transformando -se em algo tão miserável, que facilmente se decidira sobre sua vida e sua morte, sem qualquer sentimento de afinidade humana, na melhor das hipóteses considerando puros critérios de conveniência. Ficará claro, então, o duplo significado da expressão ‘Campo de extermínio’, bem como o que desejo expressar quando digo: chegar no fundo.” (p.25) Primo Levi  É isto um homem

Não posso deixar de pensar: identidade nos gestos, na casa, na voz, sou eu a me descrever. O que me impede de ser mais eu? Tua ausência. Sem vida social, escorrego menos. Quase não choro. De natureza alegre, careço de pessoas. Então, não sou. Os objetos me definem, e não possuir isso ou aquilo, também. Sou uma tola se penso nestes pequenos sentimentos. Levi menciona nos dá uma dimensão maior da vida. Um dia depois do outro. O desejo de viver…

“Steinlauf, porém, passa-me uma descompustura. Terminou de se lavar […]. Justamente porque o Campo é uma grande engrenagem para nos transformar em animais, não devemos nos transformar em animais; até num lugar como este, pode-se sobreviver, para relatar a verdade, para dar nosso depoimento;e, para viver, é essencial esforçar – nos por salvar ao menos a estrutura, a forma da civilização. Sim, somos escravos, despojados de qualquer direito, expostos a qualquer injúria, destinados a uma morte quase certa, mas ainda nos resta uma opção. Devemos nos esforçar por defendê -la a todo custo, justamente porque é a última: a opção de recusar nosso consentimento.” (p.39) 

A leitura dá uma dimensão louca da vida. Acorda! Insana é a guerra, e a tortura quebra um homem, a disputa. No entanto sabemos: ” A convicção de que a vida tem um objetivo e está enraizada em cada fibra do homem; é uma característica da substância humana. Os homens livres dão a esse objetivo vários nomes, e muitos pensam e discutem quanto à natureza. Para nós, a questão é muito simples. Hoje, e aqui, o nosso objetivo é aguentarmos até a primavera.” (p.71)

Palavras libertam… Enquanto escrevo acordo, desperto. Também adormeço. Se espero o impossível, elimino o impossível, o mal, a dor. No papel a experiência fica plana, dividida. A memória irreal se transforma em experiência: uma química. Pedro Levi nasceu em Turim, em 1919, e formou- se pela Faculdade de Química. Este livro o liberta de terríveis experiências em Auschwitz. Estranho como a leitura faz uma caminhada. As experiências se misturam. De repente, eu penso, o homem/ o ser humano é o mesmo sempre…, como posso ser cruel? Haverá forma de negar, de reconhecer o mal? Insano quando gritamos, e deixamos de ser! Ele conta:

Hoje é um dia bom. Olhamos ao redor, como cegos que recuperam a visão, e nos entreolhamos. Nunca nos víramos no Sol! Alguém sorri. Se não fosse pela fome…

Porque assim é a natureza humana: as penas padecidas simultaneamente não se somam em nossa sensibilidade; ocultam-se, as menores atrás das maiores, conforme uma lei de prioridades bem definida. Isso é providencial, e nos permite viver no Campo. E é esse o motivo pelo qual ouve-se dizer, amiúde, na vida livre, que o homem é incontentável. (73-74)

Entrega o sentimento bem explicado. Esta leitura se atravessou, assim eu me surpreendo lendo dois textos. Estou presa… Elizabeth M.B. Mattos –  31 de março de 2019 – Torres

4 comentários sobre “identidade

  1. Sim. Este deveria ser o sentido. A leitura deste pequeno, mas necessário livro nos agiganta, potencializa, depois minimiza. Não somos nada. E resistimos. Impressionante Ana Cristina!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s