se as histórias se explicassem

As mesmas e inacreditáveis fábulas da vida balançam… Nenhum sinal, nem alarme, nem grito, nada. Vou passar o café, esquentar o pão, descascar a laranja e beber, mais tarde, o leite gelado. Boa menina. Escuto música e dedilho ordenando as letras, pas en français, sempre português, nem japonês. A memória assusta com as pancadas naquela porta . Não abro. Transbordada e comovida de saudade eu te penso, materializas.  Eu te abraço. Elizabeth M. B. Mattos – abril de 2019 – Torres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s